Alerta Vermelho

Boa ou má? Não interessa. O que realmente interessa é que se fale. Este poderia ser perfeitamente o pensamento dos criativos quando decidiram fotografar e trazer ao mundo os cartazes mais provocantes. O sexo vendo. A objetificação do corpo feminino continua, infelizmente, a ser retratada. A perfeição continuará a vender e estás são oito das campanhas mais controversas dos últimos tempos.



OPIUM BY YVES SAINT LAURENT, 2000
Este é, provalvelmente, um dos anuncios mas criticados – ultrapassando as 900 queixas. A Advertising Standards Authority do Reino Unido considerou a fotografia de Steven Meisel como a oitava mais criticada do mundo da publicidade.

M7 BY YVES SAINT LAURENT, 2002
Parece que homenagear a famosa fotografia do designer francês não foi uma boa ideia. Contabilizando 730 queixas em 2002.

 MIU MIU, 2011
Não foi pelo que trazia vestido, nem pela expressão corporal. A controvérsia deu-se devido ao facto de Hailee Steinfeld, de 14 anos estar sentada numa linha ferroviária. Irresponsável, foi o adjetivo utilizado.

TOM FORD FOR MEN, 2007
Uma combinação perfeita para controvérsia: juntar Terry Richardson ao designer Tom Ford. O resultado está à vista, mesmo a publicidade ter sido banida de alguns países.

GUCCI, 2003
Public Enemy de Mario Testino para a italiana Gucci foi, em 2003 banida.

SISLEY, 2007
Onde há Terry Richardson há controvérsia. BANIDA pelo insentivo ao uso de drogas.

DOLCE & GABBANA, 2007
Kelly Cutrone escreveu no twitter: “I GUESS SIMULATING GANG BANGS ARE FINE – BUT IVF AND SAME SEX MARRIAGE ARE NOT – LIFE ACCORDING TO @dolcegabbana.”

SISLEY, 2001

Terry Richardson, na sua terceira aparição. Farming para a irmã da Beneton foi fortemente criticada e podemos imaginar o porquê de o ser.

Rui

Instagram